Sexta-feira, 18 de Março de 2011

IPRIS Viewpoints 44

The Strategic Concept that couldn't

Vasco Martins

Since NATO did not enhance cooperation with Libya or even Cote d'Ivoire's military, to name a few, authoritarian leaders are still able to direct their country's armed forces against civilians. In the end, for all its dialogue and pompous words, NATO's 'state of the art' security doctrine has still not taken root.

 

Download Full Text: Here.

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 10:44
link do post | favorito
partilhar
Sexta-feira, 11 de Março de 2011

Contagem decrescente?

Paulo Gorjão

 

Nos meses que antecederam a Cimeira de Lisboa da NATO, em Novembro de 2010, Portugal tentou – sem sucesso – que o novo Conceito Estratégico fizesse referência explícita ao Atlântico Sul, a África e ao Magrebe. Portugal conseguiu ‘apenas’ uma referência, no Ponto 30, à necessidade de “melhorar as parcerias através de formatos flexíveis que juntem a NATO e parceiros – através e para além dos quadros existentes”.

Todavia, ironia das ironias, na primeira reunião de ministros da Defesa da NATO após a Cimeira de Lisboa, o tema principal é o Magrebe, o Médio Oriente e a situação na Líbia em particular. Infelizmente, estar certo no momento errado não adianta muito, mas em todo o caso o ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, poderá e deverá relembrar a posição portuguesa.

O impasse em que a crise líbia se encontra não pode prolongar-se durante muito mais tempo. A reunião dos ministros da Defesa da NATO contribui para clarificar os objectivos da Aliança, bem como as condições exigidas para intervir. Mas a reunião é igualmente mais um instrumento para aumentar a pressão política sobre Muammar Kadhafi, a que acresce a reunião de ministros de Negócios Estrangeiros da UE e o Conselho Europeu, e antes a discussão no Conselho de Segurança sobre a possibilidade de implantar uma área de exclusão aérea na Líbia. Passo a passo, o cerco político vai apertando. A viver de tempo político emprestado, Kadhafi ainda faz parte do presente, mas já não tem lugar no futuro. No melhor dos cenários, resta a Khadafi negociar uma saída política tão airosa quanto possível.

 

(Artigo publicado hoje no Diário Económico.)

publicado por IPRIS às 11:43
link do post | favorito
partilhar
Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

IPRIS Viewpoints 26

South Atlantic crossfire: Portugal in-between Brazil and NATO

Pedro Seabra

The latest quarrel concerning Brazilian Defense Minister Nelson Jobim's spree of public declarations -- through which he sought to convey Brazil's opposition to the alleged expansion of NATO's interest to the South Atlantic -- may just require such scrutiny. The fact that long-time ally Portugal has apparently acted as the herald of discord only added further surprise to the entire situation. In this context, the need to tackle NATO's inner evolution, Portugal's calculations and Brazil's own motives, became suddenly more pressing. Consequently, a careful assessment of Brazil-NATO relations is in order.

 

Download Full Text: Here.

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 16:01
link do post | favorito
partilhar
Terça-feira, 16 de Novembro de 2010

A NATO e o Atlântico Sul: os (des)entendimentos lusófonos

Paulo Gorjão

 

Um observador menos atento poderia pensar que o governo brasileiro, nos últimos meses, teria vindo a seguir com alguma indiferença e distanciamento o debate à volta do novo conceito estratégico da NATO. Afinal, o Brasil não é um Estado-membro da NATO, nem se situa geograficamente no Atlântico Norte. Acontece que tem vindo a suceder exactamente o contrário. O governo brasileiro não só tem seguido o debate com atenção, como tem vindo a expressar as suas preocupações quanto ao futuro posicionamento estratégico da NATO.

A aprovação de um novo conceito estratégico que legitime a intervenção militar unilateral da NATO em qualquer parte do mundo – no Atlântico Sul, em particular – é uma hipótese que o Brasil encara com preocupação, na medida em que tal pode vir a colidir com as suas aspirações e interesses. O governo brasileiro encara o eventual envolvimento da NATO no Atlântico Sul como um obstáculo à sua ascensão no sistema internacional e um entrave à consolidação e expansão da sua influência política, económica e militar, não só na América do Sul, mas também em África.

Se o Brasil pudesse escolher, a visão estratégica da NATO não contemplaria o Atlântico Sul e, consequentemente, esta seria uma área fora dos seus limites de intervenção militar. Assim, à primeira vista, parece existir uma divergência de interesses entre os governos português e brasileiro. Portugal gostaria que a NATO tivesse uma visão estratégica que englobasse também o Atlântico Sul, mas o Brasil olha para essa possibilidade com frieza.

A realidade, porém, não é estática e o governo brasileiro não tem os recursos de poder necessários para isolar o Atlântico Sul, ou para assegurar por si só a sua estabilidade. Assim, o potencial conflito de interesses luso-brasileiro é em larga medida ilusório. Mais do que uma divergência substancial, o Brasil acaba por circunscrever as suas reservas quanto à forma. Na prática, o governo brasileiro quer assegurar que será um actor e não um mero observador nesse processo. Trata-se de uma reivindicação legítima e que tem o apoio do governo português, não só no caso do Brasil, mas também de África e da União Africana em particular.

Portugal valoriza o triângulo estratégico que tem nos vértices Brasília, Lisboa e Luanda, e cujo espaço interno engloba o Atlântico Sul. Nesse sentido, Portugal apoiará todas as iniciativas que reforcem o diálogo entre a NATO, o Brasil e os restantes países de língua portuguesa.

Seria do interesse de Portugal que a NATO e o governo brasileiro estabelecessem um relacionamento especial. Porventura, uma parceria. Infelizmente, estamos ainda muito distantes desse cenário e a inclusão do Atlântico Sul na visão estratégica da NATO está longe ainda de reunir um consenso alargado.

Sem vontade recíproca não há progresso possível e o Brasil não tem de estar na linha da frente do diálogo com a NATO no Atlântico Sul. Na verdade, não há nenhuma razão substantiva para que assim seja, em detrimento do continente africano.

Angola sugeriu em 2009 a criação de um mecanismo de segurança regional no âmbito da Comissão do Golfo da Guiné. Tendo em conta que a segurança no Golfo da Guiné tem vindo a ganhar crescente relevância internacional, talvez a NATO pudesse começar por aqui. A iniciativa teria seguramente o apoio de Portugal.

 

(Artigo publicado no i.)

publicado por IPRIS às 14:57
link do post | favorito
partilhar
Sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

IPRIS Viewpoints 25

Keeping the Germans happy, the Russians in and the Americans out

Vasco Martins

Recent developments have intensified the debate regarding Russia's position in Europe and the possibility of the country enhancing its cooperation with western institutions and organizations. The NATO summit and the NATO Russia council in Lisbon are the culmination of decades of attempts to mend fences.

 

Download Full Text: Here.

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 09:05
link do post | favorito
partilhar
Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010

The Lisbon summit strikes the Lisbon Treaty

By Vasco Martins

 

US President Barack Obama will be joining other heads of state of NATO allied countries in Lisbon for the signing of the new Strategic Concept, between the 19 and the 20 of November. On this occasion, the EU will organise an EU-US summit, seizing the opportunity of Obama’s presence in the continent.

However, the fact that Obama will only spend two days in Lisbon, which during a summit roughly translates to a day, may constrain negotiations and overload the agenda. The sheer amount of work and compromise NATO’s new Strategic Concept entails is more than enough for Obama and European leaders to decide on. Adding a summit on top of this serves only to overburden expectations, disregarding the meagre capability of both sides to actually reach concrete results.

On the other hand, the EU-US summit - with no clear agenda as of yet - only demonstrates Europe’s limitations in setting its own foreign policy agenda. The Obama administration has been drifting away from the European alliance, after having cancelled a summit in Madrid scheduled for May 2010, a humiliating setback for the EU’s foreign policy and the new Lisbon Treaty. Nonetheless, organising an EU-US summit on such short notice will further submit the new foreign policy prism to international wishes, instead of presenting a clear definition of its intentions and place in the world.

More importantly, the EU should stop organising summits which achieve nothing in concrete. If the US is more interested in NATO and in mutual defence issues, the EU should send a CFSP team to attempt to converge efforts while drawing common lines with NATO’s new strategic concept. Instead, organising yet another summit emphasizes not only Europe’s need for US support, but its own internal divisions and inability to sail solo in international affairs. By setting the tone in such a way, the EU is telling the world it is completely incapable of managing its own issues without the support of a powerful ally. It is only too ironic that the 2010 Lisbon EU-US summit amounts to one of the many defeats the Lisbon Treaty will have to endure.

 

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 17:59
link do post | favorito
partilhar
Domingo, 25 de Julho de 2010

Portugal, NATO and sub-Saharan Africa

By Paulo Gorjão

 

The Portuguese Secretary of State for Defense and Maritime Affairs, Marcos Perestrello, told yesterday that Western Africa could face the same sort of problems that exist in Eastern Africa. In order to overcome the risks, NATO should deepen its multilateral and bilateral cooperation with sub-Saharan Africa. Moreover, he also emphasized that Portugal could play a relevant role. The Portuguese Defense Minister, Augusto Santos Silva, made a similar statement last April. During the Roosevelt Forum, held in the Azores, he emphasized the Portuguese potential role regarding NATO and the South Atlantic.

The list of potential problems erupting from the African continent is known: illegal immigration, drug trafficking, arms trade, human traffic and terrorist attacks, among others. Thus, as Vasco Martins pointed out, self-interest dictates that NATO could play a relevant role in securing its internal space, but at the same time projecting sufficient influence to change these areas both domestically and regionally.

Indeed, NATO could -- and should -- play a role as security partner rather than as world policeman, as the Portuguese Foreign Minister, Luís Amado, pointed it out. Yet, it is still unclear if NATO’s new Strategic Concept will embrace this challenge. The list of problems is known, but the threat perception is still low. I am afraid that, as usually, reactive strategies will probably prevail upon preventive approaches.

 

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 00:02
link do post | favorito
partilhar
Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

Rasmussen in Lisbon

NATO's secretary general will be today in Lisbon. Anders Fogh Rasmussen will discuss with the Portuguese government NATO's summit in November, which will take place in Portugal, and will approve NATO's new Strategic Concept.

 

See Vasco Martins, "Portugal and the new NATO Strategic Concept" (IPRIS Policy Brief, No. 3, June 2010).

publicado por IPRIS às 11:02
link do post | favorito
partilhar

More about IPRIS

Search

Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Recent Posts

IPRIS Viewpoints 44

Contagem decrescente?

IPRIS Viewpoints 26

A NATO e o Atlântico Sul:...

IPRIS Viewpoints 25

The Lisbon summit strikes...

Portugal, NATO and sub-Sa...

Rasmussen in Lisbon

Archives

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds