Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Estará o Afeganistão a necessitar de um novo prazo?

Por Dario D'Urso

 

No início da intervenção internacional no Afeganistão, em 2001, o Exército e a Polícia eram consideradas as peças-chave no processo de state building. Actualmente, é relativamente consensual entre os observadores que o Exército e a Polícia são tão frágeis quanto o governo e a administração pública de Cabul, estando igualmente fragmentadas e politizadas.

De facto, nos últimos anos, a realidade tem-se encarregado de demonstrar que o Exército não está apto ainda para executar operações de combate sem apoio das forças militares internacionais, tal como a Polícia é incapaz de exercer as suas funções sem apoio externo. Acresce que tanto o Exército como a Polícia sofrem de elevadas taxas de deserção, no que não pode deixar de ser lido como um sinal adicional da sua fragilidade.

Inevitavelmente, o prazo estabelecido por Karzai coloca a quantidade à frente da qualidade e impõe a forma em detrimento da substância. Dito de outro modo, a estratégia de retirada relega para segundo plano a preocupação com o nível de profissionalismo das forças policiais e militares afegãs.

 

(Artigo publicado hoje no Diário Económico.)

 

publicado por IPRIS às 00:01
link do post | favorito
partilhar
Terça-feira, 20 de Julho de 2010

Afghanistan: Really in need for a new deadline?

By Dario D'Urso

 

This week, another deadline has appeared on the horizon of the Afghan quagmire. After President Obama set 2011 as the date for the initial withdrawal of the US troops from the country, his Afghan counterpart, Hamid Karzai, has reiterated that Afghan forces will be ready to take over the responsibility for the country’s security by 2014. Questions arise whether such an ambitious commitment might really be attained in just four years.

At the beginning of the international intervention in Afghanistan, the Afghan National Army and National Police were set to become the driving forces of the state building endeavour in the war-beleaguered country. Today, many international observers believe that the Afghan Security Forces are as weak as the Kabul government. According to them, the Army and the Police are fragmented and highly-politicised, not ready to perform combat operations alone and suffering from high rates of desertion, illiteracy and drug abuse. A recent report from the US Inspector on Afghan Reconstruction found that Washington has continuously overstated the level of preparation of the local troops, questioning the evaluation system used by the American military trainers itself.

Calling for a 2014 deadline will inevitably put quantity before quality, as the short-term need for a force large enough to combat the insurgency might spoil the long-term need for a professional military. Karzai’s impatience -- and that of the Western public opinions -- may not correspond to the challenges in Afghanistan.

publicado por IPRIS às 17:05
link do post | favorito
partilhar

More about IPRIS

Search

Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Recent Posts

Estará o Afeganistão a ne...

Afghanistan: Really in ne...

Archives

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds