Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

IPRIS Viewpoints 62

Brazil and the 'Argentinean nuance' revisited

Pedro Seabra

Five months later it is safe to say that the bilateral honeymoon period between Argentina and Brazil is clearly over. The catalyst for such a turnaround hardly comes as a surprise: much like in the past, trade issues, once again take central stage. Indeed, the latest events replicate an all too familiar pattern in modern Brazilian-Argentinean relations.

 

Download Full Text: Here.

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 23:02
link do post | favorito
partilhar
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

IPRIS Viewpoints 34

Brazil's selective nuances: the Argentinean example

Pedro Seabra

With the new Brazilian government still settling in after its recent inauguration, it is only natural that the international community remain expectant regarding Dilma Rousseff and her team's intended governing path. Pinpointing possible changes of course or indications of continuity for Brazil in the coming years has thus become a priority for many world capitals, eager to discover if President Lula da Silva's successor will bring with her any real political change.

 

Download Full Text: Here.

Do you wish to subscribe our publications, free of charge?

publicado por IPRIS às 19:33
link do post | favorito
partilhar
Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

Portugal, o multilateralismo e a Argentina

Paulo Gorjão

 

Decorre entre ontem e hoje em Tripoli, na Líbia, a III Cimeira UE-África e no final da semana terá lugar em Mar del Plata, na Argentina, a XX Cimeira Ibero-Americana. Portugal marca presença ao mais alto nível nas duas cimeiras, como não poderia deixar de acontecer, tendo em conta a natureza multilateralista e a abrangência multicontinental da nossa política externa.

Portugal tem procurado maximizar a sua visibilidade diplomática no âmbito dos grandes espaços geopolíticos em que está inserido. Uma estratégia que tem tido êxito, como os factos nos últimos quatro anos confirmam: entre Julho e Dezembro de 2007 Portugal deteve a presidência do Conselho da UE; entre Julho de 2008 e Junho de 2010 exerceu a presidência da CPLP; em Novembro/Dezembro de 2009 foi o anfitrião da XIX Cimeira Ibero-Americana; e há poucos dias recebeu a Cimeira de Lisboa da NATO. Adicionalmente, com a eleição no mês passado para um dos lugares não permanentes no Conselho de Segurança da ONU, a diplomacia portuguesa assegurou desde já que nos próximos dois anos Portugal manterá um nível assinalável de visibilidade internacional.

Não foi por acaso, aliás, que as duas cimeiras UE-África anteriores, em 2005 e 2007, ocorreram durante as presidências portuguesas do Conselho da UE. Tal como não foi por acaso que Portugal – juntamente com a Argentina, Chile e Espanha – já foi anfitrião de duas cimeiras Ibero-Americanas.

Curiosamente, no plano bilateral, a relação portuguesa com os dois países anfitriões das cimeiras desta semana não poderia ser mais desigual. Enquanto que a Líbia é uma prioridade indiscutível da política externa portuguesa, o mesmo não se pode dizer em relação à Argentina. A consulta das intervenções públicas do Primeiro-Ministro, ou do Ministro dos Negócios Estrangeiros, permite constatar que a Argentina é ignorada. Tal como se pode verificar que Buenos Aires tem sido um destino periférico na lista de visitas oficiais do Governo ou do Presidente da república. Os dados relativos às exportações portuguesas também são ilustrativos: entre 2000 e 2009, a Argentina passou do 35º para o 56º lugar no ranking das exportações portuguesas. A mesma tendência negativa está presente nos dados das importações: no espaço de dez anos, Buenos Aires passou do 27º para o 37º lugar.

A letargia diplomática que se apoderou da relação bilateral não deixa de ser surpreendente. Como se apenas o Brasil interessasse à diplomacia portuguesa e a restante América do Sul tivesse apenas relevância secundária. Ainda que tal fosse verdade, mesmo do ponto de vista da abordagem portuguesa relativamente ao Brasil, faz todo o sentido em apostar no reforço da relação com a Argentina. Quanto mais importante for o relacionamento bilateral entre Lisboa e Buenos Aires, maior é a relevância de Portugal para o Brasil. Razão mais do que suficiente para que o Primeiro-Ministro português, aproveitando a deslocação a Mar del Plata, procure dar um novo impulso às relações bilaterais. Afinal, o sucesso de uma estratégia com uma componente marcadamente multilateralista passa também por não descurar as relações bilaterais com os principais actores dos grandes espaços geopolíticos em que Portugal se movimenta.

 

(Artigo publicado hoje no i.)

publicado por IPRIS às 23:32
link do post | favorito
partilhar

More about IPRIS

Search

Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Recent Posts

IPRIS Viewpoints 62

IPRIS Viewpoints 34

Portugal, o multilaterali...

Archives

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds