Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Como reagir à crescente assertividade do Brasil

Paulo Gorjão

 

Na semana passada, o governo brasileiro reconheceu oficialmente o Estado palestiniano. Ao tomar esta decisão na recta final do seu mandato, Lula da Silva, mais do que uma súbita urgência de ajustar a posição oficial da diplomacia brasileira, pretendeu proteger a Presidente eleita, Dilma Rousseff, das previsíveis reacções negativas, oriundas sobretudo dos EUA e de Israel. Lula da Silva mais não fez do que aproveitar – de forma exímia, refira-se – a janela de oportunidade gerada pela transição presidencial, de modo a minimizar os custos de uma decisão que seria sempre controversa.

A vontade de assumir maior visibilidade no plano global, condizente com o desenvolvimento da agenda diplomática brasileira, justifica o crescente interesse do país no Médio Oriente. Recordo que em Março Lula da Silva visitou Israel e os Territórios Palestinianos – a primeira visita de um presidente brasileiro – e em Maio, juntamente com a Turquia, o Brasil mediou um acordo nuclear com o Irão. Nos dois casos, apesar de o Brasil saber que entraria em choque com os EUA, tal não demoveu a diplomacia brasileira de prosseguir com a orientação política que entendeu ser a mais adequada para salvaguardar os seus interesses nacionais.

As situações de competição e de tensão diplomática entre Brasília e Washington não são propriamente uma novidade. No passado recente, o Brasil criticou a expansão do número de bases militares norte-americanas na Colômbia; manifestou a sua discordância pelo facto de os EUA não apoiarem o regresso ao poder do Presidente das Honduras, após o golpe de Estado de Junho de 2009; e defendeu o fim do embargo norte-americano a Cuba. Estas divergências, porém, tinham um fio condutor e uma particularidade: a rivalidade manifestava-se e estava circunscrita sobretudo à América Latina. Aparentemente, estamos a assistir ao fim de um ciclo. À medida que o Brasil expande a sua agenda diplomática para além da América Latina, é provável que se multipliquem as situações de divergência com os EUA, mas agora à escala global.

Como é óbvio, esta possível alteração nas relações entre o Brasil e os EUA não é algo a que o governo português seja indiferente, uma vez que poderá ter implicações para Portugal. É certo que, apesar da crescente competição, no curto e médio prazo não há motivo para deduzir que a relação entre o Brasil e os EUA não continuará a ser marcada pela cooperação. Isto dito, os dados indiciam que ocorrerá uma multiplicação do número de situações de divergência entre os dois países, o que coloca Portugal perante uma nova realidade.

Assim, apesar dos laços de proximidade, é provável que Lisboa nem sempre consiga manter a convergência diplomática com Brasília. Nos planos bilateral e multilateral, os dados apontam no sentido de o governo português poder vir a ser confrontado com situações em que terá de alinhar a sua posição com os EUA – e com a União Europeia – em detrimento do Brasil. Como limitar os efeitos negativos para a relação bilateral dessas divergências é o desafio que se coloca. A presença simultânea do Brasil e de Portugal no Conselho de Segurança da ONU em 2011 será um primeiro teste à capacidade – e vontade – de articular posições comuns e de minimizar as divergências.

 

(Artigo publicado hoje no i.)

publicado por IPRIS às 18:11
link do post | favorito
partilhar

More about IPRIS

Search

Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Recent Posts

IPRIS Viewpoints 135

IPRIS Viewpoints 134

IPRIS Viewpoints 133

IPRIS Viewpoints 132

IPRIS Viewpoints 131

IPRIS Viewpoints 130

IPRIS Viewpoints 129

IPRIS Viewpoints 128

IPRIS Viewpoints 127

IPRIS Viewpoints 126

Archives

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds